Que meus filhos e netas recordem o meu amor pela escrita! Afinal as histórias são feitas para serem partilhadas. Só assim elas se propagam e se perpetuam...

quarta-feira, 25 de abril de 2018

25 ABRIL-FERIADO







Todos os actos tem a sua consequência, seja boa ou má.

Hoje mais um feriado devido ao 25 de Abril chamado o dia da liberdade.

Recordo este dia em África onde todos de radio colado ao ouvido iam dando conta do que se passava na metrópole.

Comentava-se baixinho ,pois a PIDE ainda estava ativa, nos cafés dentro da roda de amigos , depois de dar uma olhadela em redor, por segurança, se seria verdade.

Soube-se mais tarde que havia sido verdade a tal revolução, pelo menos assim confirmava a comunicação social. e nos dias seguintes foi um alvoroço, seria bom para os que nas ditas províncias ultramarina fizeram a sua vida, e empataram todo o seu suor porque ali era também Portugal ?

Que iria acontecer depois de tudo isto, havia quem dissesse que após tantas lutas onde se envolveram os turras e os soldados,onde tantos morreram parte a parte, onde teria havido autenticas barbáries onde famílias inteiras de brancos e negros pereceram, e num repente quando praticamente se havia ganho a guerra, tudo parou e quase arrisco dizer que se abraçaram e festejaram juntos este dia.

Que ficaram milhares de soldados portugueses enterrados naquelas terras após lutas para defender a sua pátria, que do lado contrario também tenham morrido milhares de famílias apanhadas entre esta guerra, é verdade.

Basta ler a historia os massacres de parte a parte etc, tudo consta da historia triste da época.

Num repente como consequência desta revolução que em Portugal se festejava eufórica mente e com alguma razão porque quem ler a historia sabe que o povo sofria de outra maneira,de miséria de fome escondida sujeitos a perseguições da PIDE e vestindo um luto constante pela perda de seus filhos numa guerra ultramarina a que eram obrigado a ir e muitos por lá ficaram em campas hoje esquecidas e cobertas de “capim” como se nada tivesse existido.

Os mais precavidos começaram a tentar salvar o pouco que podiam meter em caixotes para enviar para Portugal, enquanto “despachavam” mulheres e filhos em aviões que faziam uma ponte aérea entre África e Portugal.

As casas, os negócios, todos os bens que numa vida construiram ficaram para trás, após uma escolha entre uma vida que se adivinhava acabada e uma vida dubida para um destino onde nada tinham onde se recolher.

Falando dos “heróis” desta descolonização os senhores de fato e gravata que não deixaram um “chavelho” naquelas terras felizes e contentes sentados a uma mesa grande e de riso de felicidade nas ventas, assinaram o dito acordo de Lusaka e pronto, tudo aquilo entregue de mão beijada, e os interesses dos homens que lá viveram gerações e tudo que tinham na vida numa terra onde diziam ser também Portugal, ficou no esquecimento.

Muito mais aqui poderia escrever sobre a vergonha, e as lágrimas choradas pelos apelidados de RETORNADOS, quando eu própria fui uma ESPOLIADA.

Mas para mim, que tive um pai que morreu de tristeza e saudade, pois a idade já não era pouca, e muitos outros que chegaram de mãos vazias, para todos estes o 25 de Abril é um feriado que respeito em nome destes heróis.

O resto é o que se vê, por ai ainda hoje…..é só musica!

Como comecei este desabafo vou ficar por aqui:

Todos os actos tem a sua consequência, seja boa ou má.



Sem comentários: